Pular para o conteúdo principal

Leilão: Joias de Sérgio Cabral são arrematadas em leilão por R$ 4,6 milhões

Informações A TRIBUNA

Alcançou R$ 4.599.317,60 milhões o leilão de barras de ouro e diamantes que eram do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. Foram 20 itens, sendo cinco barras de ouro e 15 pedras de diamantes. O leilão foi realizado na última quarta-feira, determinado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal.

As cinco peças de ouro, totalizando 4,5 quilos, foram arrematadas, em lotes distintos, por um total de R$ 1,401 milhão. Já os diamantes alcançaram R$ 3,197 milhões. A pedra arrematada pelo menor preço foi um diamante de 2,05 quilates, ao valor de R$ 101 mil. O diamante mais caro, de 4,06 quilates, foi arrematado por R$ 335 mil.

Tanto o ouro quanto as pedras foram comprados por Cabral quando ele era governador do Rio de Janeiro e acabaram descobertos durante as investigações da Operação Lava Jato. O leilão, realizado pelo leiloeiro Luiz Tenório de Paula, foi totalmente eletrônico. A comissão do leiloeiro é de 5% sobre o total arrematado, o que corresponde a cerca de R$ 230 mil.

Os diamantes e o ouro foram repatriados da Suíça, pelo Ministério Público Federal (MPF), em março deste ano, depois de um longo trâmite burocrático. Foram trazidos 4,5 kg de ouro e 27 pedras de diamantes, avaliados em aproximadamente R$ 20, que foram adquiridos com dinheiro desviado por Cabral.

A existência do ouro e dos diamantes foi revelada pelos irmãos e doleiros Marcelo e Renato Chebar em delação premiada fechada com a Lava Jato do Rio de Janeiro. Eles eram operadores do esquema de Cabral.

O dinheiro arrecadado vai para o Ministério da Justiça e o Fundo Antidrogas, com 40% do valor arrecadado destinados para estruturar e equipar as forças policiais responsáveis pela apreensão das joias. O restante vai para o Fundo Nacional Antidrogas (Funad), que dispõe hoje de R$ 92 milhões para financiar, entre outros, projetos e ações de prevenção e de combate ao tráfico de ilícitos.


Introdução inglês:

The auction of gold bars and diamonds that belonged to the former governor of Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, reached R $ 4,599,317.60 million. There were 20 items, five gold bars and 15 diamond stones. The auction was held last Wednesday, determined by judge Marcelo Bretas, of the 7th Federal Criminal Court.

The five gold pieces, totaling 4.5 kilos, were sold, in separate lots, for a total of R $ 1.401 million. Diamonds reached R $ 3.197 million. The stone with the lowest price was a 2.05 carat diamond, worth R $ 101 thousand. The most expensive diamond, of 4.06 carats, was sold for R $ 335 thousand.

Both gold and stones were bought by Cabral when he was governor of Rio de Janeiro and were eventually discovered during investigations of Operation Lava Jato. The auction, held by auctioneer Luiz Tenório de Paula, was entirely electronic. The auctioneer's commission is 5% of the total bid, which corresponds to approximately R $ 230 thousand.

Diamonds and gold were repatriated from Switzerland, by the Federal Public Ministry (MPF), in March this year, after a long bureaucratic process. 4.5 kg of gold and 27 diamond stones were brought in, valued at approximately R $ 20 that were acquired with money embezzled by Cabral.

The existence of gold and diamonds was revealed by the brothers and money changers Marcelo and Renato Chebar in an award-winning plea closed with the Lava Jato do Rio de Janeiro. They were operators of the Cabral scheme.

The money raised goes to the Ministry of Justice and the Anti-Drug Fund, with 40% of the amount raised to structure and equip the police forces responsible for seizing the jewels. The rest goes to the National Anti-Drug Fund (Funad), which currently has R $ 92 million to finance, among others, projects and actions to prevent and combat illicit trafficking.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Na Estrutural: Casal suspeito de tentativa de sequestrar crianças

Imagem de divulgação  De acordo com moradores de Estrutural Distrito Federal, nas casinhas, circulam um casal suspeito com intenção de sequestrar crianças num carro não identificado. Os boatos circulam por toda a Estrutural. Uma das vítimas contou que a mulher criminosa, desceu com uma enorme faca nas mãos, tentou sequestrar uma criança da própria mãe. Os criminosos, não tiveram êxito foram surpreendidos pelos moradores nas proximidades e fugiram. "Pessoas da cidade Estrutural e região das casinhas, está circulando um casal pela região num carro branco sem identificar a placa e modelo com intenção de sequestrar crianças, aconteceu um fato do casal criminoso querer tomar uma criança na manhã desta terça-feira (11/05), da mão própria mãe com a faca, o caso aconteceu nas casinhas na quadra 08 do Setor Oeste”, disse a moradora Gabriela Godoy. Caso se repita o crime. Denuncie: 197 - Polícia Civil e no 190 - PM-DF Redação: RANEWS e TV COMUNITÁRIA DE ESTRUTURAL - DF

Suspeito de chacina no DF é encontrado e troca tiros com a polícia

A perseguição contra Lázaro Barbosa de Sousa, acusado de matar 4 pessoas no DF, ocorre em Cocalzinho (GO), na noite deste sábado (12/6) As polícias Militar do Distirto Federal (PMDF) e de Goiás (PMGO) iniciaram, na noite deste sábado (12/6), um cerco contra o suspeito de matar quatro pessoas, em chacina ocorrida em Ceilândia, no Incra 9. Informações preliminares apontam que Lázaro Barbosa de Sousa, 32 anos, roubou armas em uma fazenda à tarde . Ele fugiu com uma Beretta .22, uma pistola calibre .380 e 50 munições. homem foi localizado em Cocalzinho (GO) e, durante a perseguição, trocou tiros com a polícia. Informações preliminares apontam que três pessoas ficaram feridas e um refém estaria sob poder do criminoso. Lázaro é acusado de matar, na última quarta-feira (9/6), Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15. Ele ainda sequestrou Cleonice Marques de Andrade, 43 anos. O corpo dela foi encontrado neste sábado, em um matagal. O cad

GDF: as escutas telefônicas que aterrorizam alguns secretários

  8 out 2020 informações atualizada Por Mino Pedrosa A queda de braço velada entre o Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres e o governador Ibaneis Rocha (MDB-DF), vem causando pânico em alguns secretários nos bastidores. Há algumas semanas atrás o governador tomou conhecimento de que Anderson Torres incentivava o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) a fazer um pente fino em algumas secretarias informando que a “roubalheira é grande”. Ibaneis então ficou indignado ao ponto de imaginar cortar a cabeça do secretário infiel. No entanto, foi de pronto alertado por seus fiéis escudeiros de que seria um enorme tiro pela culatra. Em uma sóbria sondagem descobriu que Torres tem em suas mãos informações das mais de quatro mil horas de gravações em escutas telefônicas nas principais secretarias como educação e saúde, autorizadas pela justiça desde 2016, ainda na gestão de Rodrigo Rollemberg. As paredes dos gabinetes dão conta do desespero que