Pular para o conteúdo principal

Ex secretário de saúde do GDF: a um passo do confessionário


Por Mino Pedrosa

A cereja do bolo que levou toda a cúpula da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) para o Complexo Prisional da Papuda em Brasília é uma empresa polêmica por deixar rastros de corrupção em vários Estados por onde atuou. A MV Sistemas Ltda foi a chave da caixa preta do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde (IGES-DF), implantado pelo governador Ibaneis Rocha (MDB-DF), que escolheu como ponta de lança na gestão temerosa, Francisco Araújo, preso na Operação Falso Negativo, deflagrada pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

A MV já foi denunciada pela ex procuradora geral da República, Raquel Dodge, por irregularidades em contratos sem licitações com prejuízos de cerca de R$ 2,6 milhões para o município de Serra no Espírito Santo quando o prefeito era o atual deputado federal, Sérgio Vidigal (PDT-ES). Apesar de o agora parlamentar possuir foro privilegiado o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, determinou que o processo retornasse à Justiça do Estado.


Matéria que apresenta a empresa MV Sistemas no IGES-DF

Francisco tratava direto com os fornecedores e permitiu que a MV abocanhasse cerca de 100 milhões de reais para implantar um sistema de atendimento eletrônico, informatizando alguns setores dos hospitais vinculados ao IGES-DF. Joabe Francisco Barbosa representava a empresa, porém, na gestão de Francisco Araújo, foi substituído por um lobista de Brasília que atendia no IGES-DF em uma sala ao lado do comando do Instituto, com direito a secretária e assessoria, indicado pelo senador Ciro Nogueira (PP-PI). A farra com o dinheiro público sem a obrigatoriedade de licitações que garante a prestação de serviços com lisura, chamou a atenção de dois empresários que prejudicados pelo direcionamento do poder de quem indica, resolveram denunciar e colaborar com a justiça.

A partir daí uma investigação no IGES-DF focada na cúpula comandada pelo ponta de lança do governador jogou luz em Francisco que deixou o Instituto para assumir a SES-DF. Os investigadores acompanharam toda a engrenagem da corrupção desde o IGES-DF até a secretaria que culminou com as buscas, apreensões e prisão do próprio secretário. A Operação Falso Negativo aconteceu em duas partes: a primeira apenas buscas e apreensões que após análises de documentos confirmaram a gestão corrupta de parte da cúpula. Um edital formatado dentro da empresa MV Sistema Ltda revelou a intenção do esquema criminoso que puxava a empresa do IGES-DF para a secretaria com um custo de 179 milhões de reais para os cofres públicos.

Francisco e alguns servidores tratavam em sigilo a tal licitação dirigida que iria favorecer mais uma vez a empresa MV Sistemas que não concluiu nem um terço dos serviços contratados pelo Instituto, mas, já estava com tentáculos dentro SES-DF. Ainda segundo os investigadores a caixa preta do IGES-DF guardava várias irregularidades em contratos de empresas prestadoras de serviços que atuavam com dois CNPJ.

A engrenagem corrupta alcançou também a pandemia no combate ao Novo Coronavírus. Francisco Araújo direcionou a construção e a gestão do hospital de campanha no Estádio Mané Garrincha. A Contarpp Engenharia foi a empresa vencedora para a construção e já prestava serviços recebendo antecipadamente cinco milhões de Reais antes mesmo de assinar o contrato. Ainda de acordo com os investigadores, Francisco não dava um passo sem comunicar o governador

Ibaneis nomeou o conterrâneo piauiense Iohan Andrade Struck que estava encarregado de fazer os pagamentos das despesas dentro da secretaria. Iohan por sua vez fez Francisco nomear a esposa Larissa Barreto Ferraz Struck como Chefe do Núcleo de Compras Diversas do Instituto. Iohan é filho de Alfonso Struck Júnior, principal assessor da primeira dama piauiense, deputada federal, Rejane Dias (PT-PI), esposa do governador do Piauí, José Wellington Barroso de Araújo Dias (PT-PI).

Depoimentos de funcionários do departamento financeiro do IGES-DF dão conta de que a empresa MV Sistemas recebe até hoje, mesmo sem concluir os serviços descritos nas faturas empenhadas. Outra personagem que anda sob as sombras é Beatris Gautério de Lima, dona do cofre da saúde e fiel escudeira do secretário de fazenda, André Clemente. Com a prisão de Francisco Araújo, o governador Ibaneis Rocha nomeou Beatris Gautério como subsecretária da pasta da saúde e lhe deu poderes para gerir todos os contratos da SES-DF. André Clemente entregou Beatris para o atual secretário de saúde, Osnei Okumoto, deixando bem claro que a subsecretária tem poderes de fato, maiores que Okumoto.

O governo parou com a perplexidade de Ibaneis que até então tinha trânsito livre no judiciário, mas, devido a robustez de provas nas várias frentes de investigações não consegue desatar os nós deixados por seus secretários. As labaredas aumentam e não só estão chamuscando a gestão de Ibaneis, como também queimam suas pretensões políticas.

Leia abaixo a minuta do edital de licitação apreendida nas buscas na casa de Francisco Araújo.

Na fonte: Quid Novi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto que o Brasil precisa

Willian Gonçalves Faria - Foto/divulgação       Willian Gonçalves faria, natural de Patos de Minas MG, 28 anos de idade, morador de São de Sebastião Distrito Federal , vem lutando pela melhoria das políticas pública de educação tem um projeto de sua autoria que percorre esferas do governo federal em prol da educação. O projeto: ”Ensino de Portas Abertas a Arte, Cultura e Inovação” – trabalhando o conceito vida consiste em introduzir dentro da matriz escolar soluções positivas junto a crianças e adolescentes apoiado pelos professores. Sendo construído em sala de aula em troca mútua de conhecimento, ou seja, o projeto consiste em inserir no dia a dia da escola ações que possibilitem tomadas de decisões com situações reais que acontecem no país. William Gonçalves Faria - Foto/divulgação  O jovem oriundo do Estado de JK, visionário igualmente ao presidente construtor da capital Federal conhecedor e experiente nas lutas e discurssões sociais por meio de ONGs e entidades representativas ecle

Moradores encontram cabeça decapitada em praça no Entorno do DF

 A  vítima foi identificada como Randerson Maximo Barbosa. A Polícia Civil do Estado de Goiás busca pelos autores do crime Por Darcianne Diogo 02/07/2021 23:29 - Atualizado Material cedido ao Correio Moradores encontraram, na noite dessa sexta-feira (2/7), uma cabeça decapitada na Praça Santa Lúcia, em Águas Lindas de Goiás — distante cerca de 48km de Brasília. Até a última atualização dessa reportagem, ninguém havia sido preso. O corpo não foi encontrado. Testemunhas relataram à reportagem que passavam pela área, quando se depararam com a cabeça. A perícia da Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) foi acionada e está no local. A vítima foi identificada como Randerson Maximo Barbosa. A polícia apura a motivação do crime. Ao longo das investigações, surgiu-se a informação de que o membro poderia ser do jovem, de 19 anos, assassinado em 13 de maio. O corpo de Mateus dos Santos Sousa foi encontrado decapitado em um córrego, na região de Brazlândia, próximo à Ponte Maranata, a 200 me

GDF lança edital para construção de creche na Estrutural

O Governo do Distrito Federal (GDF) publicou no Diário Oficial DF (DODF) o edital de concorrência para a construção de um Centro de Educação para a Primeira Infância (Cepi), na Cidade Estrutural. O espaço, que terá capacidade para receber até 188 crianças, foi orçado em R$ 3,4 milhões e deverá ser entregue à população no segundo semestre de 2022. A região reivindica há anos a existência de novas creches. Atualmente, segundo o governo, cerca de 276 crianças estudam em creches conveniadas justamente por falta de espaço público. Com a construção do Cepi, que vai ser edificado na Quadra 3, Área Especial 2, no Setor Complementar de Indústria e Abastecimento, o governo pretende atender as crianças em dois turnos ou em turno integral. O novo Cepi será constituído de cinco salas para atendimento à faixa etária de zero a seis anos; salas multiuso e administrativas, fraldário, lactário, sanitários, cozinha, refeitório, playground, fechamentos com gradil, portões e muro; calçadas, rampas, estacio