Pular para o conteúdo principal

Ex secretário de saúde do GDF: a um passo do confessionário


Por Mino Pedrosa

A cereja do bolo que levou toda a cúpula da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) para o Complexo Prisional da Papuda em Brasília é uma empresa polêmica por deixar rastros de corrupção em vários Estados por onde atuou. A MV Sistemas Ltda foi a chave da caixa preta do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde (IGES-DF), implantado pelo governador Ibaneis Rocha (MDB-DF), que escolheu como ponta de lança na gestão temerosa, Francisco Araújo, preso na Operação Falso Negativo, deflagrada pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

A MV já foi denunciada pela ex procuradora geral da República, Raquel Dodge, por irregularidades em contratos sem licitações com prejuízos de cerca de R$ 2,6 milhões para o município de Serra no Espírito Santo quando o prefeito era o atual deputado federal, Sérgio Vidigal (PDT-ES). Apesar de o agora parlamentar possuir foro privilegiado o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, determinou que o processo retornasse à Justiça do Estado.


Matéria que apresenta a empresa MV Sistemas no IGES-DF

Francisco tratava direto com os fornecedores e permitiu que a MV abocanhasse cerca de 100 milhões de reais para implantar um sistema de atendimento eletrônico, informatizando alguns setores dos hospitais vinculados ao IGES-DF. Joabe Francisco Barbosa representava a empresa, porém, na gestão de Francisco Araújo, foi substituído por um lobista de Brasília que atendia no IGES-DF em uma sala ao lado do comando do Instituto, com direito a secretária e assessoria, indicado pelo senador Ciro Nogueira (PP-PI). A farra com o dinheiro público sem a obrigatoriedade de licitações que garante a prestação de serviços com lisura, chamou a atenção de dois empresários que prejudicados pelo direcionamento do poder de quem indica, resolveram denunciar e colaborar com a justiça.

A partir daí uma investigação no IGES-DF focada na cúpula comandada pelo ponta de lança do governador jogou luz em Francisco que deixou o Instituto para assumir a SES-DF. Os investigadores acompanharam toda a engrenagem da corrupção desde o IGES-DF até a secretaria que culminou com as buscas, apreensões e prisão do próprio secretário. A Operação Falso Negativo aconteceu em duas partes: a primeira apenas buscas e apreensões que após análises de documentos confirmaram a gestão corrupta de parte da cúpula. Um edital formatado dentro da empresa MV Sistema Ltda revelou a intenção do esquema criminoso que puxava a empresa do IGES-DF para a secretaria com um custo de 179 milhões de reais para os cofres públicos.

Francisco e alguns servidores tratavam em sigilo a tal licitação dirigida que iria favorecer mais uma vez a empresa MV Sistemas que não concluiu nem um terço dos serviços contratados pelo Instituto, mas, já estava com tentáculos dentro SES-DF. Ainda segundo os investigadores a caixa preta do IGES-DF guardava várias irregularidades em contratos de empresas prestadoras de serviços que atuavam com dois CNPJ.

A engrenagem corrupta alcançou também a pandemia no combate ao Novo Coronavírus. Francisco Araújo direcionou a construção e a gestão do hospital de campanha no Estádio Mané Garrincha. A Contarpp Engenharia foi a empresa vencedora para a construção e já prestava serviços recebendo antecipadamente cinco milhões de Reais antes mesmo de assinar o contrato. Ainda de acordo com os investigadores, Francisco não dava um passo sem comunicar o governador

Ibaneis nomeou o conterrâneo piauiense Iohan Andrade Struck que estava encarregado de fazer os pagamentos das despesas dentro da secretaria. Iohan por sua vez fez Francisco nomear a esposa Larissa Barreto Ferraz Struck como Chefe do Núcleo de Compras Diversas do Instituto. Iohan é filho de Alfonso Struck Júnior, principal assessor da primeira dama piauiense, deputada federal, Rejane Dias (PT-PI), esposa do governador do Piauí, José Wellington Barroso de Araújo Dias (PT-PI).

Depoimentos de funcionários do departamento financeiro do IGES-DF dão conta de que a empresa MV Sistemas recebe até hoje, mesmo sem concluir os serviços descritos nas faturas empenhadas. Outra personagem que anda sob as sombras é Beatris Gautério de Lima, dona do cofre da saúde e fiel escudeira do secretário de fazenda, André Clemente. Com a prisão de Francisco Araújo, o governador Ibaneis Rocha nomeou Beatris Gautério como subsecretária da pasta da saúde e lhe deu poderes para gerir todos os contratos da SES-DF. André Clemente entregou Beatris para o atual secretário de saúde, Osnei Okumoto, deixando bem claro que a subsecretária tem poderes de fato, maiores que Okumoto.

O governo parou com a perplexidade de Ibaneis que até então tinha trânsito livre no judiciário, mas, devido a robustez de provas nas várias frentes de investigações não consegue desatar os nós deixados por seus secretários. As labaredas aumentam e não só estão chamuscando a gestão de Ibaneis, como também queimam suas pretensões políticas.

Leia abaixo a minuta do edital de licitação apreendida nas buscas na casa de Francisco Araújo.

Na fonte: Quid Novi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Na Estrutural: Casal suspeito de tentativa de sequestrar crianças

Imagem de divulgação  De acordo com moradores de Estrutural Distrito Federal, nas casinhas, circulam um casal suspeito com intenção de sequestrar crianças num carro não identificado. Os boatos circulam por toda a Estrutural. Uma das vítimas contou que a mulher criminosa, desceu com uma enorme faca nas mãos, tentou sequestrar uma criança da própria mãe. Os criminosos, não tiveram êxito foram surpreendidos pelos moradores nas proximidades e fugiram. "Pessoas da cidade Estrutural e região das casinhas, está circulando um casal pela região num carro branco sem identificar a placa e modelo com intenção de sequestrar crianças, aconteceu um fato do casal criminoso querer tomar uma criança na manhã desta terça-feira (11/05), da mão própria mãe com a faca, o caso aconteceu nas casinhas na quadra 08 do Setor Oeste”, disse a moradora Gabriela Godoy. Caso se repita o crime. Denuncie: 197 - Polícia Civil e no 190 - PM-DF Redação: RANEWS e TV COMUNITÁRIA DE ESTRUTURAL - DF

Suspeito de chacina no DF é encontrado e troca tiros com a polícia

A perseguição contra Lázaro Barbosa de Sousa, acusado de matar 4 pessoas no DF, ocorre em Cocalzinho (GO), na noite deste sábado (12/6) As polícias Militar do Distirto Federal (PMDF) e de Goiás (PMGO) iniciaram, na noite deste sábado (12/6), um cerco contra o suspeito de matar quatro pessoas, em chacina ocorrida em Ceilândia, no Incra 9. Informações preliminares apontam que Lázaro Barbosa de Sousa, 32 anos, roubou armas em uma fazenda à tarde . Ele fugiu com uma Beretta .22, uma pistola calibre .380 e 50 munições. homem foi localizado em Cocalzinho (GO) e, durante a perseguição, trocou tiros com a polícia. Informações preliminares apontam que três pessoas ficaram feridas e um refém estaria sob poder do criminoso. Lázaro é acusado de matar, na última quarta-feira (9/6), Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15. Ele ainda sequestrou Cleonice Marques de Andrade, 43 anos. O corpo dela foi encontrado neste sábado, em um matagal. O cad

GDF: as escutas telefônicas que aterrorizam alguns secretários

  8 out 2020 informações atualizada Por Mino Pedrosa A queda de braço velada entre o Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres e o governador Ibaneis Rocha (MDB-DF), vem causando pânico em alguns secretários nos bastidores. Há algumas semanas atrás o governador tomou conhecimento de que Anderson Torres incentivava o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) a fazer um pente fino em algumas secretarias informando que a “roubalheira é grande”. Ibaneis então ficou indignado ao ponto de imaginar cortar a cabeça do secretário infiel. No entanto, foi de pronto alertado por seus fiéis escudeiros de que seria um enorme tiro pela culatra. Em uma sóbria sondagem descobriu que Torres tem em suas mãos informações das mais de quatro mil horas de gravações em escutas telefônicas nas principais secretarias como educação e saúde, autorizadas pela justiça desde 2016, ainda na gestão de Rodrigo Rollemberg. As paredes dos gabinetes dão conta do desespero que