Pular para o conteúdo principal

Frota: Bolsonaro usa dinheiro público para difundir fake news com "gabinete do ódio"

 CPMI FAKE NEWS


Frota: Bolsonaro usa dinheiro público para difundir fake news com "gabinete do ódio"


No Senado, deputado acusou presidente de manter assessores atuando em "milicia digital" comandada por Carlos Bolsonaro


Cristiane Sampaio


Brasil de Fato | Brasília (DF) |


 30 de Outubro de 2019 às 18:26


Oitiva de Frota na CPMI das Fake News durou mais de cinco horas e abre a lista de depoimentos que serão colhidos pelos parlamentares - Alessandro Dantas/PT no Senado


Em sessão marcada por intenso acirramento de ânimos, o deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) afirmou, na tarde desta quarta-feira (30), que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) estaria mantendo em seu gabinete assessores pagos com dinheiro público para formar supostas “milícias digitais”.


Segundo o parlamentar, o grupo teria atuado ainda durante as eleições presidenciais de 2018 por meio da disseminação de conteúdos virtuais falsos em defesa do então candidato a chefe do Executivo e também para atacar adversários.


A denúncia foi feita no âmbito de uma oitiva de mais de cinco horas de duração na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, no Senado. De acordo com Frota, os assessores seriam Tercio Arnaud Tomaz, José Matheus Sales Gomes e Mateus Matos Diniz. “Bolsonaro se encantou com essas três figuras e os trouxe pra trabalhar dentro do seu gabinete”, revelou.


Os três assessores apontados também serão ouvidos pela CPMI. Eles já tiveram requerimento de convocação aprovado pelo colegiado, motivo pelo qual terão a obrigação de comparecer. A sessão ainda não tem data marcada.


As informações trazidas à tona por Frota se relacionam com denúncias anteriores feitas por diferentes jornais sobre a existência de um “gabinete do ódio” localizado em sala próxima à do presidente da República, no Palácio do Planalto. O caso foi retratado por veículos como Folha de São Paulo, O Globo e Estadão. Em manifestações feitas à imprensa, o Planalto disse que “nega veementemente” a existência do gabinete.   


Segundo a versão apresentada por Frota, o chefe do Executivo agiria em conjunto com “milícias digitais”. “Os meninos do Bolsonaro, como ele próprio gosta de chamar e já conhecidos nas mais diversas reportagens de revistas de cunho nacional, trabalham com perfis falsos em excesso. Sabemos o quanto é grave a existência da rede de intrigas de Bolsonaro, que produz material em escala atacando quem estiver na frente ou venha a discordar, fazer o contraditório”, explicou.  


As acusações do ex-pesselista também atingiram parlamentares: “Eles estão também em gabinetes de deputados na Câmara, que usam as horas vagas pra atacar. Criam grupos de WhatsApp e operam dessa maneira. Muito em breve poderei apresentar aqui alguns desses gabinetes que mantêm milicianos digitais travestidos de assessores”, anunciou.


Ele acrescentou que pediu ao PSDB para ser incluído na CPMI como membro porque acredita que está “muito perto” de desvendar os nomes e os detalhes operacionais de “milicianos virtuais”.


De acordo com Frota, os nomes envolvidos no esquema também seriam responsáveis “por indicação de cargos e fomentos da raiva e do ódio, ministros e assessores” no que ele classificou como “farra de cargos”.   


O deputado também foi questionado por parlamentares sobre se presenciou conversas com empresários durante a campanha de 2018 a respeito de financiamento do esquema de veiculação de conteúdos falsos. Ele disse que ouviu alguns nomes durante um almoço com Bolsonaro e os filhos Carlos e Eduardo.   


“Houve ali uma discussão entre o Carlos e o Bolsonaro sobre impulsionamento de Facebook. E a conversa continuou. A pergunta era ‘quem iria financiar? quem poderia financiar?’. E aí surge o nome de um empresário chamado Otávio. Surge o nome de Meyer. Pela primeira vez, também ouvi falar ali de uma pessoa chamada Victor Metta, que poderia conseguir esses patrocínios ou essa doação. (...) Também fiquei conhecendo e ouvindo o nome de Letícia Catel, que, posteriormente, veio a ser diretora da Apex”, relatou.


Esses e outros nomes trazidos por Frota estão sendo listados pelos membros da CPMI, que   tendem a explorar melhor o assunto nas próximas semanas, em outras oitivas.   


Carlos Bolsonaro


Frota disse ainda que o grupo de três assessores mencionados seria comandado por Carlos Bolsonaro (PSL), filho do presidente. “Direto do Rio de Janeiro, ele coordena realizando reuniões e disparando via WhatsApp os seus comandos”, acusou.  


Vereador pelo município do Rio de Janeiro, Carlos foi o responsável pela estratégia e a operacionalização da campanha virtual de Bolsonaro no ano passado e é constantemente apontado também como possível administrador atual das páginas do pai. 


Questionado pela oposição se teria informações a respeito do perfil do chefe do Executivo no Twitter, principal canal de comunicação do presidente, Frota disse que os dois teriam o controle sobre a página.  “Até onde eu sei, são os dois. Ele tem a senha e o filho tem a senha, e aí acabam acontecendo problemas, porque, às vezes, o filho posta alguma coisa e o pai não queria ou pai queria, enfim, aí fica essa confusão”, afirmou.  


Um documento apresentado à CPMI pelo líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), pede a convocação de Carlos para uma sabatina na comissão, mas o requerimento ainda não foi avaliado.  


Caso Queiroz


O caso de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), também é destaque entre as declarações de Alexandre Frota, que disse ter recebido ligação do presidente da República para se queixar após o deputado discursar no plenário da Câmara em defesa da prisão de Queiroz. Segundo o tucano, o diálogo teria se dado em 14 de fevereiro deste ano.  


“Posteriormente a isso, 15 minutos depois, aparece o senador Flavio Bolsonaro, que me dá um abraço e fala ‘papai ficou chateado com você por você ter se expressado dessa maneira aqui no plenário’”, acrescentou Frota. Ele disse ainda que, em outro momento, o presidente da República teria lhe puxado pelo braço em um evento e dito a frase: “Cala essa matraca. Eu quero continuar o casamento com você”. O episódio estaria registrado em um vídeo.


As declarações sobre o caso Queiroz estão entre os principais aspectos da oitiva de Frota, que disponibilizou o sigilo telefônico para análise de áudios. A pedido de parlamentares da CPMI, ele também disse que colocará vídeos e fotos à disposição do colegiado.


Os supostos diálogos trazidos à tona pelo tucano tendem a apimentar as críticas ao governo, que tem o caso Queiroz como um de seus calos.  O nome do ex-assessor ronda a imagem da família do presidente desde dezembro de 2018, quando o Coaf apontou a existência de uma “movimentação atípica” nas contas de Queiroz no valor de R$ 1,2 milhão entre os anos de 2016 e 2017, quando ele atuava como assessor de Flávio no Rio de Janeiro.    


Cenário


O depoimento de Frota é o primeiro a ser colhido pelo colegiado, que atua na apuração de diferentes crimes cibernéticos, com destaque para a onda de disseminação de conteúdos falsos que tomou conta das redes sociais durante o último pleito.   


Nos bastidores da política, a oitiva tucano era bastante aguardada pela oposição. Ex-membro do PSL, o deputado foi expulso da legenda em agosto deste ano, em meio às intensas dissidências internas do partido, e hoje está entre os protagonistas do grupo de ex-aliados que jogam gasolina na crise que circunda Bolsonaro. Ele foi convidado pela CPMI para prestar depoimento.  


No início dos trabalhos, a oitiva do tucano foi constantemente intercalada por gritos de protesto de pessoas da plateia acusando Frota de traição. Apoiador de Bolsonaro, o grupo empunhou cartazes que chamam o deputado de “traíra oportunista”. “Olavo tem razão”, bradou um deles, expondo as divergências entre as diferentes alas do PSL. Uma delas é associada ao astrólogo e escritor Olavo de Carvalho, considerado como guru de Bolsonaro e opositor de Frota.


Carvalho também poderá ser ouvido pela CPMI, que irá apreciar requerimento de convocação dele para uma sabatina.


Edição: Rodrigo Chagas

INFORMAÇÕES: https://www.brasildefato.com.br/


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto que o Brasil precisa

Willian Gonçalves Faria - Foto/divulgação       Willian Gonçalves faria, natural de Patos de Minas MG, 28 anos de idade, morador de São de Sebastião Distrito Federal , vem lutando pela melhoria das políticas pública de educação tem um projeto de sua autoria que percorre esferas do governo federal em prol da educação. O projeto: ”Ensino de Portas Abertas a Arte, Cultura e Inovação” – trabalhando o conceito vida consiste em introduzir dentro da matriz escolar soluções positivas junto a crianças e adolescentes apoiado pelos professores. Sendo construído em sala de aula em troca mútua de conhecimento, ou seja, o projeto consiste em inserir no dia a dia da escola ações que possibilitem tomadas de decisões com situações reais que acontecem no país. William Gonçalves Faria - Foto/divulgação  O jovem oriundo do Estado de JK, visionário igualmente ao presidente construtor da capital Federal conhecedor e experiente nas lutas e discurssões sociais por meio de ONGs e entidades representativas ecle

Moradores encontram cabeça decapitada em praça no Entorno do DF

 A  vítima foi identificada como Randerson Maximo Barbosa. A Polícia Civil do Estado de Goiás busca pelos autores do crime Por Darcianne Diogo 02/07/2021 23:29 - Atualizado Material cedido ao Correio Moradores encontraram, na noite dessa sexta-feira (2/7), uma cabeça decapitada na Praça Santa Lúcia, em Águas Lindas de Goiás — distante cerca de 48km de Brasília. Até a última atualização dessa reportagem, ninguém havia sido preso. O corpo não foi encontrado. Testemunhas relataram à reportagem que passavam pela área, quando se depararam com a cabeça. A perícia da Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) foi acionada e está no local. A vítima foi identificada como Randerson Maximo Barbosa. A polícia apura a motivação do crime. Ao longo das investigações, surgiu-se a informação de que o membro poderia ser do jovem, de 19 anos, assassinado em 13 de maio. O corpo de Mateus dos Santos Sousa foi encontrado decapitado em um córrego, na região de Brazlândia, próximo à Ponte Maranata, a 200 me

GDF lança edital para construção de creche na Estrutural

O Governo do Distrito Federal (GDF) publicou no Diário Oficial DF (DODF) o edital de concorrência para a construção de um Centro de Educação para a Primeira Infância (Cepi), na Cidade Estrutural. O espaço, que terá capacidade para receber até 188 crianças, foi orçado em R$ 3,4 milhões e deverá ser entregue à população no segundo semestre de 2022. A região reivindica há anos a existência de novas creches. Atualmente, segundo o governo, cerca de 276 crianças estudam em creches conveniadas justamente por falta de espaço público. Com a construção do Cepi, que vai ser edificado na Quadra 3, Área Especial 2, no Setor Complementar de Indústria e Abastecimento, o governo pretende atender as crianças em dois turnos ou em turno integral. O novo Cepi será constituído de cinco salas para atendimento à faixa etária de zero a seis anos; salas multiuso e administrativas, fraldário, lactário, sanitários, cozinha, refeitório, playground, fechamentos com gradil, portões e muro; calçadas, rampas, estacio