Pular para o conteúdo principal

Após MPF, DPU pede que atividades sejam novamente suspensas no DF

 


Após MPF, DPU pede que atividades sejam novamente suspensas no DF


A Defensoria Pública da União defende a restauração de decisão que impede o funcionamento de serviços não essenciais na capital do país
21/04/2021 


Lojas voltaram a fechar com lockdown


A Defensoria Pública da União (DPU) pediu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a suspensão de atividades econômicas no Distrito Federal, em razão da pandemia de Covid-19. Antes da DPU, o Ministério Público Federal (MPF) se manifestou pela volta do lockdown parcial.


Em agravo interno apresentado na noite da última terça-feira (20/4), a DPU defendeu a desconstituição da decisão do presidente do STJ, ministro Humberto Martins, de 9 de abril. O magistrado atendeu a um pedido do Governo do DF e derrubou a deliberação do desembargador federal Souza Prudente, responsável por restaurar a determinação da 3ª Vara Federal Cível para o retorno das medidas mais restritivas.

Na prática, o que a DPU quer é que a decisão proferida pela juíza federal Kátia Balbino de Carvalho Ferreira volte a valer. Em 30 de março, a magistrada concedeu liminar para que o DF retomasse as medidas de enfrentamento à Covid-19, revogadas na segunda-feira (29/3) — isso implicava a volta do lockdown parcial, com fechamento de shoppings, bares e restaurantes, por exemplo. A determinação valeria até que a ocupação dos leitos de UTI para pacientes infectados da rede pública ficasse entre 80% e 85%, e a lista de espera tivesse menos de 100 pessoas.

O defensor público federal Juliano Martins de Godoy argumentou, no recurso da DPU, que o presidente do STJ “equivocou-se ao afirmar que o Distrito Federal apresentou dados suficientes a fim de se comprovar melhora considerável para a reabertura das atividades”.







“O ente federativo alegou que a taxa de circulação do vírus, em 8 de abril de 2021, era de 0,86 e que havia reduzido significativamente, a fim de retomar as atividades econômicas. Ora, excelência, em 18 de abril de 2021, é possível constatar — a partir de informações do InfoSaúde-DF — que a taxa de circulação do vírus é de 0,93. Assim, visivelmente, houve aumento significativo após o deferimento da liminar”, assinalou o defensor público.

Godoy também citou os dados das internações em unidades de terapia intensiva (UTIs): “Não obstante, apesar da redução no número de pacientes à espera de um leito de UTI, os números ainda são alarmantes. Em 18 de abril de 2021, ao acessar o Monitoramento Diário ao Enfrentamento à Covid-19/InfoSaúde-DF, constata-se que há 144 pessoas na lista de espera para leitos de Covid e 86 pacientes na lista de espera para leitos gerais. Em razão disso, na mesma data, a taxa de ocupação total dos leitos de UTI estava em 95,40%”.


Segundo o defensor, o lockdown tem respaldo científico, e o Estado deve proteger a população. “Não havendo dúvidas de que, em situação como a dos autos, o direto econômico deve ser relativizado”, pontuou.

A DPU pede que o agravo interno seja submetido ao ministro Humberto Martins, que pode reconsiderar a própria decisão proferida no início de abril. Se esse não for o entendimento do presidente, a Defensoria Pública solicita que o recurso vá a julgamento na Corte Especial.
MPF

A DPU havia anunciado que não recorreria da decisão do presidente do STJ que impediu a volta das medidas mais restritivas no DF. Porém, o órgão voltou atrás após o MPF entrar com recurso.

O subprocurador-geral da República Nicolao Dino pediu a retomada do fechamento de atividades não essenciais durante a pandemia de Covid-19. Na última segunda-feira (19/4), a Procuradoria-Geral do DF (PGDF) foi intimada sobre a solicitação do MPF e tem 15 dias para apresentar resposta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Na Estrutural: Casal suspeito de tentativa de sequestrar crianças

Imagem de divulgação  De acordo com moradores de Estrutural Distrito Federal, nas casinhas, circulam um casal suspeito com intenção de sequestrar crianças num carro não identificado. Os boatos circulam por toda a Estrutural. Uma das vítimas contou que a mulher criminosa, desceu com uma enorme faca nas mãos, tentou sequestrar uma criança da própria mãe. Os criminosos, não tiveram êxito foram surpreendidos pelos moradores nas proximidades e fugiram. "Pessoas da cidade Estrutural e região das casinhas, está circulando um casal pela região num carro branco sem identificar a placa e modelo com intenção de sequestrar crianças, aconteceu um fato do casal criminoso querer tomar uma criança na manhã desta terça-feira (11/05), da mão própria mãe com a faca, o caso aconteceu nas casinhas na quadra 08 do Setor Oeste”, disse a moradora Gabriela Godoy. Caso se repita o crime. Denuncie: 197 - Polícia Civil e no 190 - PM-DF Redação: RANEWS e TV COMUNITÁRIA DE ESTRUTURAL - DF

Suspeito de chacina no DF é encontrado e troca tiros com a polícia

A perseguição contra Lázaro Barbosa de Sousa, acusado de matar 4 pessoas no DF, ocorre em Cocalzinho (GO), na noite deste sábado (12/6) As polícias Militar do Distirto Federal (PMDF) e de Goiás (PMGO) iniciaram, na noite deste sábado (12/6), um cerco contra o suspeito de matar quatro pessoas, em chacina ocorrida em Ceilândia, no Incra 9. Informações preliminares apontam que Lázaro Barbosa de Sousa, 32 anos, roubou armas em uma fazenda à tarde . Ele fugiu com uma Beretta .22, uma pistola calibre .380 e 50 munições. homem foi localizado em Cocalzinho (GO) e, durante a perseguição, trocou tiros com a polícia. Informações preliminares apontam que três pessoas ficaram feridas e um refém estaria sob poder do criminoso. Lázaro é acusado de matar, na última quarta-feira (9/6), Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15. Ele ainda sequestrou Cleonice Marques de Andrade, 43 anos. O corpo dela foi encontrado neste sábado, em um matagal. O cad

GDF: as escutas telefônicas que aterrorizam alguns secretários

  8 out 2020 informações atualizada Por Mino Pedrosa A queda de braço velada entre o Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres e o governador Ibaneis Rocha (MDB-DF), vem causando pânico em alguns secretários nos bastidores. Há algumas semanas atrás o governador tomou conhecimento de que Anderson Torres incentivava o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) a fazer um pente fino em algumas secretarias informando que a “roubalheira é grande”. Ibaneis então ficou indignado ao ponto de imaginar cortar a cabeça do secretário infiel. No entanto, foi de pronto alertado por seus fiéis escudeiros de que seria um enorme tiro pela culatra. Em uma sóbria sondagem descobriu que Torres tem em suas mãos informações das mais de quatro mil horas de gravações em escutas telefônicas nas principais secretarias como educação e saúde, autorizadas pela justiça desde 2016, ainda na gestão de Rodrigo Rollemberg. As paredes dos gabinetes dão conta do desespero que