Pular para o conteúdo principal

Izalci pede mais transparência ao GDF sobre gastos com a pandemia


Secretário de Economia, André Clemente, disse que a culpa era do modelo de gestão pública do Brasil

A Comissão Especial da Covid DF enfim conseguiu ouvir as explicações do secretário de Economia, André Clemente, nesta segunda-feira (26), sobre os recursos repassados pelo governo do DF para o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF). O secretário de Saúde, Osnei Okumoto, mais uma vez não compareceu à reunião da comissão como havia prometido.

O coordenador da comissão, senador Izalci Lucas (PSDB-DF), questionou André Clemente sobre a falta de transparência e de interesse do GDF em querer prestar contas dos recursos encaminhados pela bancada do DF para combater a pandemia na capital federal.


“A gente vem pedindo há muito tempo transparência sobre as nossas emendas. Destinamos emendas de bancada e se quer tivermos uma prestação de contas disso. Sem contar os outros recursos que nós passamos para o DF como estado e município exatamente para ajudar com a pandemia, que são R$ 640 milhões como auxílio de estado e R$ 190 milhões como auxílio de município. Então, a gente percebe que na saúde não temos essas informações”, declarou Izalci.

O parlamentar relatou ainda ao secretário que “nós estamos com problemas de UTIs, de insumos, tem gente sendo intubada com falta de medicamentos. A gente precisa de mais transparência”. “Queria saber de você como está essa situação (de dinheiro) porque o Fundo da Saúde quando o dinheiro chega, ele vai para a economia. Como que está isso? Como é feito esse controle?”, indagou o senador.

CULPA DO MODELO DE GESTÃO E DA SEGUNDA ONDA

André Clemente culpou o modelo de gestão pública de todo o país. Segundo ele, a pandemia fez com que o governo conseguisse avançar em relação à administração de recursos. No entanto, não esclareceu como esse processo ocorre no GDF. O secretário tentou defender a atuação do governo no decorrer da pandemia insinuando que a culpa foi da segunda onda da doença.

“Isso (a segunda onda) aconteceu no mundo todo. Obviamente, que exigiu de nós um esforço adicional”, argumentou o secretário do governo Ibaneis alegando que o GDF ainda estava se adaptando a essa nova realidade.

HOSPITAIS DE CAMPANHA

Izalci aproveitou a presença de André Clemente na reunião e perguntou se os leitos dos três hospitais de campanha que estão sendo erguidos pelo GDF seriam de UTI, UCI ou de enfermaria. O senador citou o caso do hospital temporário que funcionou no Mané Garrinha.

“Os servidores da saúde informaram nesta comissão que foram contratados 197 leitos de UTI, inclusive para efeito de registro do Ministério da Saúde, que na prática foram pagos como UCI e no final foram instalados leitos de enfermaria. Parece que esse procedimento está se repetindo agora. Há um certo descontrole na área da saúde e queremos saber o que está acontecendo”, ressaltou o parlamentar.

André Clemente explicou que essa parte não estava sob sua alçada e respondeu que estava na reunião na condição de secretário de Economia e não como representante do governo. “O secretário Osnei é quem tem que ser chamado e encontrado para que possa explicar”, se esquivou o gestor das finanças do GDF.

O senador rebateu as explicações de André. “Você tem razão. O Osnei não compareceu e quando compareceu saiu sem responder as perguntas. Toda vez que se fala em recursos, mesmo da Saúde, o argumento é que quem trata disso é a Secretaria de Economia, quer dizer, joga na tua responsabilidade”, salientou Izalci Lucas.


Ainda durante a reunião, o presidente do Iges-DF, Gilberto Occhi, confirmou ao lado de André Clemente que o GDF deve quase R$ 250 milhões para o instituto. Occhi explicou que o gasto mensal do Iges-DF está em torno de R$ 107 milhões, mas que o GDF repassa apenas R$ 83 milhões o que pode vir a aumentar ainda mais o rombo milionário na saúde pública do DF.

Informações do site do senador Izalci 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Na Estrutural: Casal suspeito de tentativa de sequestrar crianças

Imagem de divulgação  De acordo com moradores de Estrutural Distrito Federal, nas casinhas, circulam um casal suspeito com intenção de sequestrar crianças num carro não identificado. Os boatos circulam por toda a Estrutural. Uma das vítimas contou que a mulher criminosa, desceu com uma enorme faca nas mãos, tentou sequestrar uma criança da própria mãe. Os criminosos, não tiveram êxito foram surpreendidos pelos moradores nas proximidades e fugiram. "Pessoas da cidade Estrutural e região das casinhas, está circulando um casal pela região num carro branco sem identificar a placa e modelo com intenção de sequestrar crianças, aconteceu um fato do casal criminoso querer tomar uma criança na manhã desta terça-feira (11/05), da mão própria mãe com a faca, o caso aconteceu nas casinhas na quadra 08 do Setor Oeste”, disse a moradora Gabriela Godoy. Caso se repita o crime. Denuncie: 197 - Polícia Civil e no 190 - PM-DF Redação: RANEWS e TV COMUNITÁRIA DE ESTRUTURAL - DF

Suspeito de chacina no DF é encontrado e troca tiros com a polícia

A perseguição contra Lázaro Barbosa de Sousa, acusado de matar 4 pessoas no DF, ocorre em Cocalzinho (GO), na noite deste sábado (12/6) As polícias Militar do Distirto Federal (PMDF) e de Goiás (PMGO) iniciaram, na noite deste sábado (12/6), um cerco contra o suspeito de matar quatro pessoas, em chacina ocorrida em Ceilândia, no Incra 9. Informações preliminares apontam que Lázaro Barbosa de Sousa, 32 anos, roubou armas em uma fazenda à tarde . Ele fugiu com uma Beretta .22, uma pistola calibre .380 e 50 munições. homem foi localizado em Cocalzinho (GO) e, durante a perseguição, trocou tiros com a polícia. Informações preliminares apontam que três pessoas ficaram feridas e um refém estaria sob poder do criminoso. Lázaro é acusado de matar, na última quarta-feira (9/6), Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15. Ele ainda sequestrou Cleonice Marques de Andrade, 43 anos. O corpo dela foi encontrado neste sábado, em um matagal. O cad

GDF: as escutas telefônicas que aterrorizam alguns secretários

  8 out 2020 informações atualizada Por Mino Pedrosa A queda de braço velada entre o Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres e o governador Ibaneis Rocha (MDB-DF), vem causando pânico em alguns secretários nos bastidores. Há algumas semanas atrás o governador tomou conhecimento de que Anderson Torres incentivava o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) a fazer um pente fino em algumas secretarias informando que a “roubalheira é grande”. Ibaneis então ficou indignado ao ponto de imaginar cortar a cabeça do secretário infiel. No entanto, foi de pronto alertado por seus fiéis escudeiros de que seria um enorme tiro pela culatra. Em uma sóbria sondagem descobriu que Torres tem em suas mãos informações das mais de quatro mil horas de gravações em escutas telefônicas nas principais secretarias como educação e saúde, autorizadas pela justiça desde 2016, ainda na gestão de Rodrigo Rollemberg. As paredes dos gabinetes dão conta do desespero que