Pular para o conteúdo principal

Confusão na CPI: Ex-secretário do DF vira pivô de um embate político nos bastidores da CPI


Ignorado por supostos padrinhos após ser preso, o desconhecido Francisco de Araújo Filho pode causar confusão na comissão

Por Hugo Marques Atualizado em 28 Maio 2021, 11h11 - Publicado em 28 Maio 2021.


No mês passado, o senador Eduardo Girão (Podemos-CE) apresentou um requerimento pedindo a convocação do assistente social Francisco de Araújo Filho para depor na CPI da Pandemia. O documento chegou à mesa do presidente da comissão e foi juntado a uma pilha de mais de 200 requerimentos que aguardam aprovação. Ninguém deu muita atenção ao personagem, absolutamente desconhecido do grande público. Há quem aposte, porém, que ele pode causar uma grande confusão. Ex-secretário de Saúde do Distrito Federal, Araújo foi preso em agosto do ano passado, apontado como ponta de lança de uma quadrilha que desviou milhões de reais que deveriam ser usados no combate ao coronavírus na capital federal. Entre os muitos absurdos que a polícia descobriu sobre ele, um atingiu o topo da cadeia de crueldade: no ápice da primeira onda da doença, ele manipulou uma licitação que comprou milhares de testes fajutos para detectar a Covid-19.

O caso de Brasília é um clássico dos manuais de corrupção. Diante da tragédia sanitária, alguns gestores, em conluio com empresas, fraudaram processos de aquisição de insumos e medicamentos e compartilhavam lucros astronômicos. A polícia e o Ministério Público detectaram toda uma cadeia de ilegalidades que resultaram em um prejuízo de 46 milhões de reais aos cofres da capital. Mas há um mimistério que ainda intriga os investigadores. Como Francisco de Araújo, um ex-vereador do interior de Alagoas, assumiu um cargo tão sensível como o de secretário de Saúde de Brasília num momento em que se enfrentava a maior crise do planeta? Ninguém ainda conseguiu responder a isso com o mínimo de clareza — e a incógnita tem dado margem a intrigas e especulações que podem chegar ao plenário da CPI da Pandemia.

A biografia oficial de Francisco de Araújo conta que ele nasceu no Maranhão há 51 anos, mas construiu a vida e a carreira política em Alagoas. Ele foi vereador e secretário de Saúde de Cajueiro, uma cidade de 20 000 habitantes, distante 75 quilômetros da capital do estado. Em 2009, foi convidado pelo então prefeito de Maceió, Cícero Almeida (MDB), para assumir o comando da Secretaria de Assistência Social, de onde saiu debaixo de suspeitas. De acordo com o Ministério Público, Araújo e outras oito pessoas desviaram mais de 50 milhões de reais para uma empresa sem fins lucrativos contratada pela prefeitura para administrar verbas da saúde. Em dezembro do ano passado, ele foi condenado por improbidade administrativa.

Depois do escândalo em Alagoas, Araújo se transferiu para Brasília, onde ocupou o cargo de assessor da Câmara dos Deputados, nomeado pelo então presidente Eduardo Cunha (MDB). No governo Temer (MDB), ele dirigiu um departamento no Ministério das Cidades. Em janeiro de 2019, veio o grande salto profissional, ao ser convidado pelo governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), primeiro para assumir a presidência do Instituto de Gestão Estratégica da Saúde, uma entidade que tem a mesma finalidade daquela que ele já havia dirigido em Alagoas, administrar verbas públicas, depois para assumir a Secretaria de Saúde do DF, pasta que tem um orçamento anual de 7 bilhões de reais. Em agosto do ano passado, o secretário foi flagrado combinando com empresários os termos de licitações para compra de testes e insumos para o enfrentamento da Covid a preços superfaturados. Ele foi preso e denunciado à Justiça por peculato, fraude e organização criminosa. Mas um mistério ainda continuava sem resposta: ninguém conseguiu saber como exatamente o ex-secretário chegou ao posto. O senador Girão, autor do requerimento, atendeu a um pedido do senador Izalci Lucas (PSDB-DF), pré-candidato ao governo do DF, que mira , claro, o governador Ibaneis Rocha, que já foi convocado para depor. Mas há outros candidatos a padrinho.


Leia mais em:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto que o Brasil precisa

Willian Gonçalves Faria - Foto/divulgação       Willian Gonçalves faria, natural de Patos de Minas MG, 28 anos de idade, morador de São de Sebastião Distrito Federal , vem lutando pela melhoria das políticas pública de educação tem um projeto de sua autoria que percorre esferas do governo federal em prol da educação. O projeto: ”Ensino de Portas Abertas a Arte, Cultura e Inovação” – trabalhando o conceito vida consiste em introduzir dentro da matriz escolar soluções positivas junto a crianças e adolescentes apoiado pelos professores. Sendo construído em sala de aula em troca mútua de conhecimento, ou seja, o projeto consiste em inserir no dia a dia da escola ações que possibilitem tomadas de decisões com situações reais que acontecem no país. William Gonçalves Faria - Foto/divulgação  O jovem oriundo do Estado de JK, visionário igualmente ao presidente construtor da capital Federal conhecedor e experiente nas lutas e discurssões sociais por meio de ONGs e entidades representativas ecle

Moradores encontram cabeça decapitada em praça no Entorno do DF

 A  vítima foi identificada como Randerson Maximo Barbosa. A Polícia Civil do Estado de Goiás busca pelos autores do crime Por Darcianne Diogo 02/07/2021 23:29 - Atualizado Material cedido ao Correio Moradores encontraram, na noite dessa sexta-feira (2/7), uma cabeça decapitada na Praça Santa Lúcia, em Águas Lindas de Goiás — distante cerca de 48km de Brasília. Até a última atualização dessa reportagem, ninguém havia sido preso. O corpo não foi encontrado. Testemunhas relataram à reportagem que passavam pela área, quando se depararam com a cabeça. A perícia da Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) foi acionada e está no local. A vítima foi identificada como Randerson Maximo Barbosa. A polícia apura a motivação do crime. Ao longo das investigações, surgiu-se a informação de que o membro poderia ser do jovem, de 19 anos, assassinado em 13 de maio. O corpo de Mateus dos Santos Sousa foi encontrado decapitado em um córrego, na região de Brazlândia, próximo à Ponte Maranata, a 200 me

GDF lança edital para construção de creche na Estrutural

O Governo do Distrito Federal (GDF) publicou no Diário Oficial DF (DODF) o edital de concorrência para a construção de um Centro de Educação para a Primeira Infância (Cepi), na Cidade Estrutural. O espaço, que terá capacidade para receber até 188 crianças, foi orçado em R$ 3,4 milhões e deverá ser entregue à população no segundo semestre de 2022. A região reivindica há anos a existência de novas creches. Atualmente, segundo o governo, cerca de 276 crianças estudam em creches conveniadas justamente por falta de espaço público. Com a construção do Cepi, que vai ser edificado na Quadra 3, Área Especial 2, no Setor Complementar de Indústria e Abastecimento, o governo pretende atender as crianças em dois turnos ou em turno integral. O novo Cepi será constituído de cinco salas para atendimento à faixa etária de zero a seis anos; salas multiuso e administrativas, fraldário, lactário, sanitários, cozinha, refeitório, playground, fechamentos com gradil, portões e muro; calçadas, rampas, estacio