Pular para o conteúdo principal

Confusão na CPI: Ex-secretário do DF vira pivô de um embate político nos bastidores da CPI


Ignorado por supostos padrinhos após ser preso, o desconhecido Francisco de Araújo Filho pode causar confusão na comissão

Por Hugo Marques Atualizado em 28 Maio 2021, 11h11 - Publicado em 28 Maio 2021.


No mês passado, o senador Eduardo Girão (Podemos-CE) apresentou um requerimento pedindo a convocação do assistente social Francisco de Araújo Filho para depor na CPI da Pandemia. O documento chegou à mesa do presidente da comissão e foi juntado a uma pilha de mais de 200 requerimentos que aguardam aprovação. Ninguém deu muita atenção ao personagem, absolutamente desconhecido do grande público. Há quem aposte, porém, que ele pode causar uma grande confusão. Ex-secretário de Saúde do Distrito Federal, Araújo foi preso em agosto do ano passado, apontado como ponta de lança de uma quadrilha que desviou milhões de reais que deveriam ser usados no combate ao coronavírus na capital federal. Entre os muitos absurdos que a polícia descobriu sobre ele, um atingiu o topo da cadeia de crueldade: no ápice da primeira onda da doença, ele manipulou uma licitação que comprou milhares de testes fajutos para detectar a Covid-19.

O caso de Brasília é um clássico dos manuais de corrupção. Diante da tragédia sanitária, alguns gestores, em conluio com empresas, fraudaram processos de aquisição de insumos e medicamentos e compartilhavam lucros astronômicos. A polícia e o Ministério Público detectaram toda uma cadeia de ilegalidades que resultaram em um prejuízo de 46 milhões de reais aos cofres da capital. Mas há um mimistério que ainda intriga os investigadores. Como Francisco de Araújo, um ex-vereador do interior de Alagoas, assumiu um cargo tão sensível como o de secretário de Saúde de Brasília num momento em que se enfrentava a maior crise do planeta? Ninguém ainda conseguiu responder a isso com o mínimo de clareza — e a incógnita tem dado margem a intrigas e especulações que podem chegar ao plenário da CPI da Pandemia.

A biografia oficial de Francisco de Araújo conta que ele nasceu no Maranhão há 51 anos, mas construiu a vida e a carreira política em Alagoas. Ele foi vereador e secretário de Saúde de Cajueiro, uma cidade de 20 000 habitantes, distante 75 quilômetros da capital do estado. Em 2009, foi convidado pelo então prefeito de Maceió, Cícero Almeida (MDB), para assumir o comando da Secretaria de Assistência Social, de onde saiu debaixo de suspeitas. De acordo com o Ministério Público, Araújo e outras oito pessoas desviaram mais de 50 milhões de reais para uma empresa sem fins lucrativos contratada pela prefeitura para administrar verbas da saúde. Em dezembro do ano passado, ele foi condenado por improbidade administrativa.

Depois do escândalo em Alagoas, Araújo se transferiu para Brasília, onde ocupou o cargo de assessor da Câmara dos Deputados, nomeado pelo então presidente Eduardo Cunha (MDB). No governo Temer (MDB), ele dirigiu um departamento no Ministério das Cidades. Em janeiro de 2019, veio o grande salto profissional, ao ser convidado pelo governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), primeiro para assumir a presidência do Instituto de Gestão Estratégica da Saúde, uma entidade que tem a mesma finalidade daquela que ele já havia dirigido em Alagoas, administrar verbas públicas, depois para assumir a Secretaria de Saúde do DF, pasta que tem um orçamento anual de 7 bilhões de reais. Em agosto do ano passado, o secretário foi flagrado combinando com empresários os termos de licitações para compra de testes e insumos para o enfrentamento da Covid a preços superfaturados. Ele foi preso e denunciado à Justiça por peculato, fraude e organização criminosa. Mas um mistério ainda continuava sem resposta: ninguém conseguiu saber como exatamente o ex-secretário chegou ao posto. O senador Girão, autor do requerimento, atendeu a um pedido do senador Izalci Lucas (PSDB-DF), pré-candidato ao governo do DF, que mira , claro, o governador Ibaneis Rocha, que já foi convocado para depor. Mas há outros candidatos a padrinho.


Leia mais em:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Na Estrutural: Casal suspeito de tentativa de sequestrar crianças

Imagem de divulgação  De acordo com moradores de Estrutural Distrito Federal, nas casinhas, circulam um casal suspeito com intenção de sequestrar crianças num carro não identificado. Os boatos circulam por toda a Estrutural. Uma das vítimas contou que a mulher criminosa, desceu com uma enorme faca nas mãos, tentou sequestrar uma criança da própria mãe. Os criminosos, não tiveram êxito foram surpreendidos pelos moradores nas proximidades e fugiram. "Pessoas da cidade Estrutural e região das casinhas, está circulando um casal pela região num carro branco sem identificar a placa e modelo com intenção de sequestrar crianças, aconteceu um fato do casal criminoso querer tomar uma criança na manhã desta terça-feira (11/05), da mão própria mãe com a faca, o caso aconteceu nas casinhas na quadra 08 do Setor Oeste”, disse a moradora Gabriela Godoy. Caso se repita o crime. Denuncie: 197 - Polícia Civil e no 190 - PM-DF Redação: RANEWS e TV COMUNITÁRIA DE ESTRUTURAL - DF

Suspeito de chacina no DF é encontrado e troca tiros com a polícia

A perseguição contra Lázaro Barbosa de Sousa, acusado de matar 4 pessoas no DF, ocorre em Cocalzinho (GO), na noite deste sábado (12/6) As polícias Militar do Distirto Federal (PMDF) e de Goiás (PMGO) iniciaram, na noite deste sábado (12/6), um cerco contra o suspeito de matar quatro pessoas, em chacina ocorrida em Ceilândia, no Incra 9. Informações preliminares apontam que Lázaro Barbosa de Sousa, 32 anos, roubou armas em uma fazenda à tarde . Ele fugiu com uma Beretta .22, uma pistola calibre .380 e 50 munições. homem foi localizado em Cocalzinho (GO) e, durante a perseguição, trocou tiros com a polícia. Informações preliminares apontam que três pessoas ficaram feridas e um refém estaria sob poder do criminoso. Lázaro é acusado de matar, na última quarta-feira (9/6), Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15. Ele ainda sequestrou Cleonice Marques de Andrade, 43 anos. O corpo dela foi encontrado neste sábado, em um matagal. O cad

GDF: as escutas telefônicas que aterrorizam alguns secretários

  8 out 2020 informações atualizada Por Mino Pedrosa A queda de braço velada entre o Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres e o governador Ibaneis Rocha (MDB-DF), vem causando pânico em alguns secretários nos bastidores. Há algumas semanas atrás o governador tomou conhecimento de que Anderson Torres incentivava o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) a fazer um pente fino em algumas secretarias informando que a “roubalheira é grande”. Ibaneis então ficou indignado ao ponto de imaginar cortar a cabeça do secretário infiel. No entanto, foi de pronto alertado por seus fiéis escudeiros de que seria um enorme tiro pela culatra. Em uma sóbria sondagem descobriu que Torres tem em suas mãos informações das mais de quatro mil horas de gravações em escutas telefônicas nas principais secretarias como educação e saúde, autorizadas pela justiça desde 2016, ainda na gestão de Rodrigo Rollemberg. As paredes dos gabinetes dão conta do desespero que