Pular para o conteúdo principal

Senado aprova nova legislação para organização administrativa da Polícia Civil do DF


A alteração prevista em medida provisória relatada pelo senador Izalci Lucas determina a competência da União sobre a estrutura e organização da PCDF


O Plenário do Senado aprovou, nesta terça-feira (11), a Medida Provisória 1.014/2020 que organiza a estrutura da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). A MP, que recebeu 71 votos a favor e agora segue para sanção, foi editada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, para substituir três leis distritais que regulamentavam a organização da Polícia Civil e que foram consideradas inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Como o Distrito Federal é sede dos Poderes da República, de embaixadas e de organismos internacionais, a Constituição atribui à União a competência para organizar e custear a Polícia Civil, a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal.

Sem tempo hábil, em razão do vencimento do prazo de tramitação da MP, emendas importantes não puderam ser incluídas no texto pelo relator, senador Izalci Lucas (PSDB/DF). Ele lamentou ter que deixar de fora a questão da equiparação dos salários da Polícia Civil aos da Polícia Federal e dos policiais civis dos ex-Territórios. Izalci explicou que desde 2016 os salários dos policiais civis do DF estão defasados em relação aos dos seus colegas.

“Em 2011, o governador Agnelo Queiroz daria um aumento para a Polícia Civil. Na época, a Presidente Dilma pediu que não fosse concedido, porque não havia recursos suficientes para cumprir a paridade e dar o aumento para a Polícia Federal. Depois, ela acabou concedendo o reajuste para a PF e a Policia Civil ficou sem receber”, relatou.

Paridade

O senador lembrou que quando a PCDF foi criada, os servidores podiam optar entre Polícia Federal e Polícia Civil, porque elas nasceram da mesma legislação e, por isso, sempre tiveram a paridade salarial.

“Em 2019, aprovamos no Congresso Nacional, os projetos de lei 1 e 2 que previam o reajuste da Polícia Civil e até hoje isso não se materializou”, disse o senador.

Outra emenda importante, que teve que ser rejeitada por Izalci, previa a criação da Ouvidoria da PCDF, apresentada pela senadora Rose de Freitas (MDB-ES).

Saúde

Uma das medidas previstas pela nova legislação é a autorização legal para a criação de uma assistência à saúde de policiais civis da ativa e aposentados, extensiva aos seus dependentes. Essa é uma demanda antiga que a categoria vinha pleiteando. A implantação da assistência à saúde ainda depende de regulamentação do Governo do Distrito Federal (GDF).

Competências

A MP mantém a determinação do STF que estabelece ao Poder Executivo Federal a responsabilidade de definir as linhas gerais de organização, funcionamento, transformação, extinção e definição de competências de órgãos da PCDF. A Polícia Civil poderá regulamentar pontos específico e o governador, alterar cargos.

Estrutura

O texto estabelece que a estrutura básica da Polícia Civil do Distrito Federal é composta por Delegacia-Geral, Gabinete do Delegado-Geral, Conselho Superior, Corregedoria, Escola Superior e até oito departamentos.

Cargos e funções

Todos os cargos em comissão e as funções de confiança existentes no âmbito da Polícia Civil do Distrito Federal na data de entrada em vigor da MP serão mantidos, de acordo com decisão do Poder Executivo. O texto ainda prevê que o governador do Distrito Federal poderá, de acordo com proposta do delegado-geral, realocar ou transformar cargos em comissão e funções de confiança, desde que não haja aumento de despesa. Caso haja aumento de gastos, a mudança nos cargos terá que ser realizada por lei distrital de iniciativa do governador

Fonte: www.Izalci.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Na Estrutural: Casal suspeito de tentativa de sequestrar crianças

Imagem de divulgação  De acordo com moradores de Estrutural Distrito Federal, nas casinhas, circulam um casal suspeito com intenção de sequestrar crianças num carro não identificado. Os boatos circulam por toda a Estrutural. Uma das vítimas contou que a mulher criminosa, desceu com uma enorme faca nas mãos, tentou sequestrar uma criança da própria mãe. Os criminosos, não tiveram êxito foram surpreendidos pelos moradores nas proximidades e fugiram. "Pessoas da cidade Estrutural e região das casinhas, está circulando um casal pela região num carro branco sem identificar a placa e modelo com intenção de sequestrar crianças, aconteceu um fato do casal criminoso querer tomar uma criança na manhã desta terça-feira (11/05), da mão própria mãe com a faca, o caso aconteceu nas casinhas na quadra 08 do Setor Oeste”, disse a moradora Gabriela Godoy. Caso se repita o crime. Denuncie: 197 - Polícia Civil e no 190 - PM-DF Redação: RANEWS e TV COMUNITÁRIA DE ESTRUTURAL - DF

Suspeito de chacina no DF é encontrado e troca tiros com a polícia

A perseguição contra Lázaro Barbosa de Sousa, acusado de matar 4 pessoas no DF, ocorre em Cocalzinho (GO), na noite deste sábado (12/6) As polícias Militar do Distirto Federal (PMDF) e de Goiás (PMGO) iniciaram, na noite deste sábado (12/6), um cerco contra o suspeito de matar quatro pessoas, em chacina ocorrida em Ceilândia, no Incra 9. Informações preliminares apontam que Lázaro Barbosa de Sousa, 32 anos, roubou armas em uma fazenda à tarde . Ele fugiu com uma Beretta .22, uma pistola calibre .380 e 50 munições. homem foi localizado em Cocalzinho (GO) e, durante a perseguição, trocou tiros com a polícia. Informações preliminares apontam que três pessoas ficaram feridas e um refém estaria sob poder do criminoso. Lázaro é acusado de matar, na última quarta-feira (9/6), Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15. Ele ainda sequestrou Cleonice Marques de Andrade, 43 anos. O corpo dela foi encontrado neste sábado, em um matagal. O cad

GDF: as escutas telefônicas que aterrorizam alguns secretários

  8 out 2020 informações atualizada Por Mino Pedrosa A queda de braço velada entre o Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres e o governador Ibaneis Rocha (MDB-DF), vem causando pânico em alguns secretários nos bastidores. Há algumas semanas atrás o governador tomou conhecimento de que Anderson Torres incentivava o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) a fazer um pente fino em algumas secretarias informando que a “roubalheira é grande”. Ibaneis então ficou indignado ao ponto de imaginar cortar a cabeça do secretário infiel. No entanto, foi de pronto alertado por seus fiéis escudeiros de que seria um enorme tiro pela culatra. Em uma sóbria sondagem descobriu que Torres tem em suas mãos informações das mais de quatro mil horas de gravações em escutas telefônicas nas principais secretarias como educação e saúde, autorizadas pela justiça desde 2016, ainda na gestão de Rodrigo Rollemberg. As paredes dos gabinetes dão conta do desespero que