Pular para o conteúdo principal

Lázaro havia feito um pacto com o diabo, diz povoado onde cometeu seus primeiros crimes

Di
Divulgação 

A saga dos primeiros crimes do assassino Lázaro Barbosa Souza, 33 anos, aconteceu quando ele tinha 19 anos, no povoado onde morava, na cidade de Barra do Mendes, região noroeste da Bahia. O matador baiano, que vem sendo caçado há seis dias pela polícia do Distrito Federal, fez suas primeiras vítimas em 2007, quando perseguia uma garota por quem havia se apaixonado. Dois trabalhadores rurais tentaram ajudar a moça e acabaram mortos. Nas redes sociais, o baiano está sendo chamado de “serial killer do DF”.


Divulgação 

À época, Lázaro passou quase 15 dias escondido numa serra enquanto policiais tentam capturá-lo. A capacidade de ele se esconder, aliada à violência dos crimes, criou um boato na cidade de que Lázaro havia feito um pacto com o diabo. Sendo verdade ou não, a Polícia Civil informou que o acusado do duplo homicídio foi preso na ocasião do crime, após se apresentar na delegacia. “Ele conseguiu fugir cerca de 10 dias depois, sendo considerado foragido desde então”, diz nota da polícia.

Até então, o que há de concreto sobre a ficha criminal de Lázaro é que, além das mortes em Barra do Mendes, o o assassino matou quatro pessoas de uma mesma família em Ceilândia no último dia 9 de junho e baleou outra pessoas em Goiás três dias depois. Em 2013, quando respondia a um processo por roubo, porte de arma de fogo e estupro, um laudo criminológico apontou que o maníaco tem características de personalidade como "agressividade, ausência de mecanismos de controle, dependência emocional, impulsividade, instabilidade emocional, possibilidade de ruptura do equilíbrio, preocupações sexuais e sentimentos de angústia".

Infância

Lázaro cresceu no povoado de Melancia, a cinco quilômetros do centro da cidade. A região é formada por serras, onde há muitas grutas. Desde pequeno se isolou das pessoas a partir da separação de seus pais.

“Sempre foi uma criança fechada. Não gosta de rir. Não interagia com os meninos. Vivia só com a mãe e não aceitava a separação dos pais. O pai dele foi embora para Goiás quando ele era bem pequeno e isso mexeu com ele na infância”, contou uma moradora de Barra do Mendes que preferiu não se identificar.

À medida que foi se desenvolvendo fisicamente, Lázaro foi se isolando, ao ponto de abandonar a escola na adolescência e se dedicando ao trabalho. “Não era de falar com ninguém. Era sisudo. Só vivia na roça. Pegava todo o trabalho pesado que tivesse. Por ser calado, não reclamava e era tão ágil quanto forte. Quando não estava na enxada, estava caçando com a sua espingarda de soca”, contou a moradora.

Mortes

Logo no início do ano de 2007, Lázaro se apaixonou por uma menina - na época, tinha 19 anos. A moça era uma adolescente – ela teria entre 15 e 17 anos – e não gostava dele. Ela, assim como as outras pessoas, tinha receio de conversar com Lázaro pelo fato de ele ser muito carrancudo. Ele passou a segui-lá em algumas ocasiões, comportamento que deixou a adolescente apavorada.

Uma noite, Lázaro estava caçando com a espingarda quando avisou a jovem. Ela correu ao vê-lo e ele a seguiu. Para se livrar dele, a garota entrou em um sítio pedindo socorro. O dono do local, Carlito, que tinha 40 anos na época, também guardava uma espingarda em casa. Ao escutar o desespero da menina, ele saiu armado. Lázaro, que havia se escondido numa bananeira, atirou sem pestanejar. “Carlito morreu sem saber quem atirou nele”, contou a moradora.

A segunda vítima de Lázaro foi logo em seguida. Vizinho de Carlito, o também trabalhador rural Manoel de Paula, 60, estava em seu sítio e escutou os gritos da moça seguidos de tiros. Ao chegar, deu de cara com o corpo do amigo e saiu em perseguição a Lázaro. No entanto, numa troca de tiros, Manoel acabou também morto. A jovem sobreviveu

Diabo

Após o duplo homicídio, o maníaco correu para a serra, onde conhecia tudo na palma da mão, o que o ajudou a permanecer escondido por quase 15 dias. Na ocasião, havia um comentário de que Lázaro havia feito um pacto com o diabo. “A polícia de todo o canto veio atrás dele, mas não o encontrou. O povo dizia que ele tinha feito um pacto com o diabo e virava toco e por isso não era visto. Isso quem contava era o povo da roça, mas a gente sabe que isso tudo é medo. A região é cheia de gruta e ele aproveitava para se esconder. Ele só se entregou à polícia porque estava com fome e uma hora poderia ser morto”, explica a moradora.

Quando ainda estava escondido na serra, Lázaro usava uma tática para despistar a polícia. Ele usava os chinelos ao contrário, assim produzia pagadas para o sentido contrário que estava indo. “Ele amarrava os pés no lado contrário que as pessoas usam as sandálias, assim fazia uma falsa trilha que levada os policiais para mais distante dele”, relatou.

Crime no DF

200 policiais, seis dias de perseguição e um rastro de sangue pelo caminho. A caçada pelo baiano Lázaro mobiliza a polícia do Distrito Federal após a chacina de uma família em Ceilândia no ultimo dia 9 de junho.

Leia mais: Correio 24 Horas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto que o Brasil precisa

Willian Gonçalves Faria - Foto/divulgação       Willian Gonçalves faria, natural de Patos de Minas MG, 28 anos de idade, morador de São de Sebastião Distrito Federal , vem lutando pela melhoria das políticas pública de educação tem um projeto de sua autoria que percorre esferas do governo federal em prol da educação. O projeto: ”Ensino de Portas Abertas a Arte, Cultura e Inovação” – trabalhando o conceito vida consiste em introduzir dentro da matriz escolar soluções positivas junto a crianças e adolescentes apoiado pelos professores. Sendo construído em sala de aula em troca mútua de conhecimento, ou seja, o projeto consiste em inserir no dia a dia da escola ações que possibilitem tomadas de decisões com situações reais que acontecem no país. William Gonçalves Faria - Foto/divulgação  O jovem oriundo do Estado de JK, visionário igualmente ao presidente construtor da capital Federal conhecedor e experiente nas lutas e discurssões sociais por meio de ONGs e entidades representativas ecle

Moradores encontram cabeça decapitada em praça no Entorno do DF

 A  vítima foi identificada como Randerson Maximo Barbosa. A Polícia Civil do Estado de Goiás busca pelos autores do crime Por Darcianne Diogo 02/07/2021 23:29 - Atualizado Material cedido ao Correio Moradores encontraram, na noite dessa sexta-feira (2/7), uma cabeça decapitada na Praça Santa Lúcia, em Águas Lindas de Goiás — distante cerca de 48km de Brasília. Até a última atualização dessa reportagem, ninguém havia sido preso. O corpo não foi encontrado. Testemunhas relataram à reportagem que passavam pela área, quando se depararam com a cabeça. A perícia da Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) foi acionada e está no local. A vítima foi identificada como Randerson Maximo Barbosa. A polícia apura a motivação do crime. Ao longo das investigações, surgiu-se a informação de que o membro poderia ser do jovem, de 19 anos, assassinado em 13 de maio. O corpo de Mateus dos Santos Sousa foi encontrado decapitado em um córrego, na região de Brazlândia, próximo à Ponte Maranata, a 200 me

GDF lança edital para construção de creche na Estrutural

O Governo do Distrito Federal (GDF) publicou no Diário Oficial DF (DODF) o edital de concorrência para a construção de um Centro de Educação para a Primeira Infância (Cepi), na Cidade Estrutural. O espaço, que terá capacidade para receber até 188 crianças, foi orçado em R$ 3,4 milhões e deverá ser entregue à população no segundo semestre de 2022. A região reivindica há anos a existência de novas creches. Atualmente, segundo o governo, cerca de 276 crianças estudam em creches conveniadas justamente por falta de espaço público. Com a construção do Cepi, que vai ser edificado na Quadra 3, Área Especial 2, no Setor Complementar de Indústria e Abastecimento, o governo pretende atender as crianças em dois turnos ou em turno integral. O novo Cepi será constituído de cinco salas para atendimento à faixa etária de zero a seis anos; salas multiuso e administrativas, fraldário, lactário, sanitários, cozinha, refeitório, playground, fechamentos com gradil, portões e muro; calçadas, rampas, estacio